domingo, 19 de maio de 2019

Vem aí o 2º Fórum Estadual de Folclore e Culturas Populares, em Ijuí



Congresso, em Bento Gonçalves, elenca prioridades para fomentar a cultura no Rio Grande do Sul

     Bento Gonçalves sediou, entre os dias 15 e 17 de maio de 2019, o 3º Congresso Estadual de Cultura. O evento objetivou fomentar o debate junto às empresas financiadoras, produtores culturais, empreendedores, agentes de cultura, artistas e trabalhadores da área promovendo uma rediscussão intensa das leis que subsidiam os editais e projetos.

     O evento foi transmitido pela Rádio Web Quero-quero.net durante a quinta (16) e sexta (17), por quase de 20 horas com pequenas interrupções para as refeições. O programa Identidade Gaúcha, apresentado de terça a quinta por Rogério Bastos e Liliane Pappen saiu do estúdio e foi para a Casa das Artes, em Bento, com programação pela manhã e tarde, cobrindo todos painéis e palestras.
           Na programação, o evento contou com mais de 30 palestrantes, 10 oficinas e apresentações artísticas. Teve a participação especial do secretário estadual de Cultura de Pernambuco, Gilberto Freyre Neto, que foi muito elogiado, além de ter custeado as despesas para participar do evento e dar seu testemunho do que é possível. As audiências públicas da Assembléia Legislativa e da Secretaria de Estado da Cultura do Rio Grande do Sul, sobre as ações especiais do Fundo de Apoio à Cultura (FAC) completaram o conclave. 
            O chamado sistema "S", por envolver Sesi, Sesc, Senac e Senai foram representados pelo ex-secretário da cultura, Vitor Hugo (SESI) e pelo Gerente Silvio Bento (SESC). O mediador foi o dedicadíssimo Secretário da Cultura de bento Gonçalves, Evandro Soares.
           Ana Luisa Fagundes, diretora de Economia criativa, da Secretaria de Estado da Cultura falou sobre os impactos da economia criativa. Paulo Waine – Gestor cultural e Luciano Ballen – Produtor Festival Música de Rua Caxias do Sul, completaram o painel.


      Outro painel que chamou a atenção foi o Financiamento de Espaços Culturais, que teve Emilio Kallil (Fundação Iberê Camargo),  Tarcisio Falconi da Cunha (CTG Porteira da Restinga) e Cristina da Rosa (Ponto de Cultura Quilombo do Sopapo).  A mediação foi de Rafael Ban Jacobsen – Presidente da Academia Riograndense de Letras. Ao final houve uma intervenção artística: "Performance de afirmação negra em honra a ancestralidade", com Indiara Tainan e Thiago D’Ossanha.
Jeanine Pacholski, de Caxias do Sul, do Instituto Elisabetha Randon (abaixo na esquerda) e Rafael Balle da SEDAC
       O Painel: "a ausência de financiamento", teve como painelistas Luciano Fernandes (Presidente da Associação do Circo), Patrick Costa (Presidente do SINDIMUS), Fábio Cunha (Presidente do SATED) com a mediação de Marcelo Mugnol, do Jornal Pioneiro. Audiência Pública com as Ações Especiais do FAC
teve a condução de Carmem Langaro e Rafael Balle (na foto abaixo, ao lado do maestro André Munari).
        Os Grupos de Trabalho (GTs) ocuparam salas do hotel DAll'Onder, para debater os assuntos que foram , na parte final, para a audiência pública com a Assembleia legislativa.
      GT 1 – Lei de Incentivo a Cultura do RS
Mediadores: Marlise Machado, Jorge Stocker Jr.,  José Edil de Lima Alves, Rogério Bastos.  
      GT 2 – Fundo de Apoio à Cultura FAC
Mediadores: Moreno Brasil,  Airton Ortiz, Ivo Benfato, Otávio Capoano.  
      GT 3 – Ações especiais do FAC
Mediadores: Marcelo Restori, Gisele Meyer, Paula Simon Ribeiro, Luis Antônio Pereira.
      GT 4 – O financiamento nos Municípios
Mediadores: Marco Aurélio Alves, Joyce Reis, Paulo Campos de Campos, Liana Richter.
   As atividades do dia terminaram após o espetáculo: "Bela, Eu Feroz" - uma metáfora de nós mesmos.
      Na manhã de sexta, 17, ainda com transmissão ao vivo pela rádio web Quero-quero.net, o painel: "Os Grandes Eventos e seu Financiamento" com Iara Sartori (Festival de Cinema de Gramado – Gramadotur), Nairoli Callegaro (MTG/ENART) e Jussara  Rodrigues (Feira do Livro de Porto Alegre). Teve a mediação do jornalista, ex-vice governador e atual Presidente da Fundação do Theatro São Pedro, Antônio Hohlfeldt. 
       Um painel, muito esperado foi  "O Município e a Cultura". Este contou com a presença de Marcos André Piaia – Prefeito de Barra Funda, Josias Trento – Secretário de Cultura de Marau e do deputado estadual Sebastião Mello, com a mediação do Prefeito de Bento Gonçalves, Guilherme Pazzin.

         Piaia disse que a cidade respira cultura e que todo investimento feito tem retorno rápido e, acima de tudo a satisfação da comunidade. "Investir em cultura diminui os custos em saúde, educação e segurança. Basta gerir os recursos" - afirmou.
          Com a mediação de Alexandre Lucchese – Editor de Cultura de ZH, Beatriz Araújo – Secretária de Cultura do RS e Gilberto Freire Neto – Secretário de Pernambuco falaram sobre "O Estado Financiador de Políticas Públicas". 
           Por fim, os Grupos de Trabalho redigiram as manifestações e reivindicações dos diversos setores em relação ao financiamento de cultura do estado do Rio Grande do Sul para apresentar na "Audiência Pública da Comissão de Educação e Cultura da Assembleia Legislativa do RS", com a presença da Deputada Estadual Sofia Cavedon (PT) e do Deputado Estadual Sebastião Mello (MDB), da Secretária de Estado da Cultura Beatriz Araújo, do Presidente do COnselho Estadual de Cultura, Marco Aurelio Alves, do Secretário Municipal de Cultura de Bento Gonçalves, Evandro Soares e do Diretor de Incentivo à Produção Cultural, do Ministério da Cidadania - Odecir Luiz Prata da Costa. 
            O Congresso Estadual de Cultura reuniu grandes pensadores da cultura no estado como artistas, produtores, políticos, financiadores, fazedores de cultura e gestores culturais. Todos com o objetivo de buscar algum tipo de solução para o setor. A divergência de ideias, até mesmo quando se refere ao valor percentual investido pelo patrocinador na LIC (25%), de passar para 10%, foi motivo de muito debate. Perdeu quem não compareceu ao evento. Quem não discutiu e não apresentou sugestões de solução.
             A classe artística e gestores começam a tentar se situar neste novo cenário que o Conselho Estadual de Cultura ofereceu, através de um Congresso, que teve debates em diversas cidades do Rio Grande do Sul antes de chegar em Bento Gonçalves. Apesar do tempo parecer ter sido pouco para tanta ideia, inclusive com o exemplo da Secretaria de Cultura de Pernambuco (case de sucesso) que explanou seu funcionamento, Marco Aurélio Alves classificou como positivo o conclave estadual: "Promovemos o diálogo, não deixamos as decisões fechadas em gabinetes e deixamos o setor inquieto, buscando soluções. Se em época de crise a solução é criar, então, como disse nosso palestrante na abertura (Werner Schünemann,) vamos criar as condições para sair dela" - comemorou Alves.
          O prêmio "Movimento" será lançado no segundo semestre de 2019 - terá porte de R$ 200.000,00 - obtidos através de parceria com a iniciativa privada. "Um edital, no valor de R$ 3.000.000,00 será lançado pela Secretaria de Cultura, em junho, e deve contemplar amplo segmento da área cultural" - disse Ana Fagundes, diretora de Economia Criativa da Sedac.

Rogério Bastos
Assessoria para eventos
Conselho Estadual de Cultura RS

quinta-feira, 2 de maio de 2019

CGF estará presente no 3º Congresso Estadual de Cultura, em Bento Gonçalves




Fórum do Patrimônio Cultural comemora início promissor

O I Fórum Estadual do Patrimônio Cultural celebra encontro de agentes culturais com comunidade gaúcha em Osório, que contou com a presença de quase 100 pessoas 

           Aconteceu nesta terça, 30, em Osório, o primeiro dia do Fórum Estadual de Patrimônio Cultural, no Plenário da Câmara dos Vereadores. Diversas entidades culturais e Patrimoniais, como o Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul, o IPHAN , o Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Rio Grande do Sul, o CAU-RS e a Prefeitura Municipal de Osório estiveram presentes no evento, que contou com a presença de mais de 18 municípios.


            O Fórum iniciou com a palestra do professor Dr. Leonardo Castriota, que versou sobre as novas abordagens de patrimônio cultural: A ampliação do conceito de Patrimônio (Arquitetura), Patrimônio Cultural e a introdução de novos atores. Para Castriota devemos defender os Conselhos, pois são o cerne da democracia. “Cerremos fileiras em defesa do colegiado, que é um mecanismo participativo” – afirmou.


            Logo, o palestrante seguiu para uma mesa redonda mediada com o tema: Patrimônios Emergentes, ministrada pelo Dr. Cristiano de Brum, da Icomos/BR. O debate contou com a presença de Iosvaldyr Bittencourt Júnior, do Grupo Moçambique de Osório, Dr. Ignácio Benites Moreno e a Dra. Jeniffer Cuty. Ao final das explanações foi convidada para subir ao palco a “Rainha Ginga”, Francisca Dias, a Preta, que agradeceu o prêmio “Destaque Cultura”, recebida pelo CEC em 2018.


            Vale destacar a presença da boneca gigante, "Vó Chica", modelo de um boneco de Olinda, trazida pelo palestrante Claudio Roberto Pagno da Costa, que representa o projeto "Vó Chica Vive", iniciativa que visa promover a história e a importância cultural da Vila Safira (Porto Alegre), na comunidade. 


            Na parte da tarde, a programação retornou com uma mesa redonda mediada por Teisla da Cunha Klein, sobre sociedade civil e patrimônio. O debate contou com a participação de Jacqueline custodio, Rodrigo Trespach e o Ms. Rodrigo Luís dos Santos. Segundo Trespach (COMPHAC) a falta de pertencimento das pessoas faz com que elas fiquem alheias aos acontecimentos, não se mobilizando. “As pessoas não sentem pertencer aquele lugar, acham as coisas velhas e que tem que ser desmanchadas. Mas depois vão para a Europa e ficam admiradas com as antiguidades históricas do local” – lamentou.



Inventários de Patrimônio Cultural: Identificação, preservação e desenvolvimento

             O dia se encerrou com debates acerca dos Inventários de Patrimônio Cultural, com a presença do Conselheiro Jorge Luís Stocker Jr, Dra. Ana Maria Moreira Marchesan, Dra Vanessa Campos e Dr. Alexandre Veiga, coordenador do núcleo de acervo da Casa de Cultura Mário Quintana em uma mesa mediada pelo Promotor de Justiça Dr. Daniel Martini.


            Martini fez uma introdução a cerca do trabalho que o Ministério Público vem fazendo em parcerias para encontrar estratégias e preservar o patrimônio cultural. “Temos que discutir e buscar estratégias para vencermos a derrocada da ética e da moral” – afirmou. Garantiu que a próxima atuação do MP será exigir que os municípios se organizem para compor o sistema municipal de cultura.

Fórum Estadual de Patrimônio Cultural encerra produzindo o documento:
 "A carta de Osório"

E chegou ao final mais um grande trabalho realizado pelo Conselho Estadual de Cultura do Rio Grande do Sul, capitaneados pelo presidente Marco Aurélio Alves  - o 1º Fórum Estadual de Patrimônio Cultural, realizado na Câmara de Vereadores de Osório, nos dias 30 de abril e 1º de maio.


           O segundo dia de fórum foi bastante produtivo, contando com a presença de um ônibus de pessoas que se deslocaram de Pelotas para participar do evento. A manhã começou com uma mesa redonda tratando de Conservação e Restauro, com mediação do conselheiro da CAU/RS, Oritz Campos. A mesa foi composta pelo Dr. Tiago Puglieri, da UFPel, falando sobre ciência da conservação em acervos museológicos, a Ms. Mariana Gaelzer Wertheimer, da ACOR/RS, dando um panorama conceitual das teorias da conservação e restauro e a arquiteta Maria Edwiges Sobreira Leal, falando sobre experiencias de projetos arquitetônicos - reabilitação de imoveis históricos.

           Segundo o Conselheiro do CAU, Oritz Campos o Conselho está ai para ajudar na proteção do patrimônio cultural. "Estamos preocupados com os maus profissionais que muitas vezes causam danos ao patrimônio histórico" - afirmou.

           E, as 11h iniciou a última mesa de debates do evento, tratando diretamente do financiamento, mediado pela Conselheira Estadual de Cultura, Liane Yara Richter e, com Eduardo Hahn, da SEDAC/RS falando em Financiamento Público LIC/RS, em bens tombados pelo Estado. Contou com a presença de Cristiane Rauber e Juliana Betemps, tratando do Projeto Banco Pelotense do Vale do Caí, que foi o primeiro projeto de restauro financiado via FAC, no estado e Matias Vasquez, do projeto Viva Cidade, de Caxias do Sul. Segundo ele, os espaços da cidade tem que ter vida: "A vida se dá quando a comunidade ocupa os espaços e faz aquecer a economia, ao natural" afirmou Vasquez.

         No retorno após o almoço foi feita a visita à exposição de projetos de educação patrimonial  exposta pelo CODIC/FAMURS e logo em seguida foi encaminhada a "carta de Osório" com as sugestões levantadas durante todo o fórum pelas instituições que participaram. Seguindo Jorge Luis Stocker, organizador do Fórum, o evento teve tres momentos distintos e que deram grande relevância ao trabalho realizado: Sentimento, terça pela manhã. Tecnicidade, com elementos bem técnicos tratados no segundo momento e, finalmente, o fechamento com falas motivacionais, nesta quarta. "Os três momentos não foram planejados, mas aconteceram. Ontem, pela manhã a grande emoção desde a boneca da 'Vó chica', de tarde a parte mais técnica e hoje as falas que deram motivação para continuarmos, pois o caminho e este" comemorou.

          O arremate  do fórum se deu em um passeio que mostrou o patrimônio cultural de Osório, liderado pelo Rodrigo Trespach, incluindo o Morro da Borrússia e a visita à Rainha Ginga e o Rei do Congo.

Rogério Bastos Assessoria Especial
Para eventos do CEC/RS 997658633
Apoio Igor Dreher e Gustavo Barreto

domingo, 28 de abril de 2019

CGF realiza reunião ordinária e festiva na sede, em Porto Alegre

A Comissão Gaúcha de Folclore, entidade que comemora em 2019, 71 anos de existência, cumprindo seu papel estatutário promoveu um encontro com seus membros de diretoria e associados na sua sede em Porto Alegre, neste sábado, 27 de abril.

          Podemos dividir a história da Comissão Gaúcha de Folclore em dois momentos ou fases: a primeira, que teve início em 23 de abril de 1948, com dante de Laytano à frente e a segunda fase, em 1992, com a Professora Lilian Argentina Braga Marques.

            Em 1948 Comissão Nacional de Folclore voltou-se para a organização de grupos de intelectuais que se dispusessem a assumir e incentivar os estudos de Folclore em cada estado brasileiro, contatou estudiosos e foram sendo criados núcleos estaduais, organizações similares em nível estadual com o objetivo de incentivar os trabalhos de levantamento do folclore brasileiro.  A CGF sempre foi órgão independente, e nunca recebeu verbas oficiais, sempre se manteve pela força de vontade e colaboração de seus membros. 

           Na entrada do seculo XXI, um novo momento se mescla de renovação de seus membros buscando dinamicidade e não deixar morrer o trabalho dedicado de pessoas como o próprio Professor dante, Lilian Argentina, Rose Mari dos reis, Paula Simon, Paixão Cortes, Barbosa Lessa, Érico Veríssimo (sim, essas feras fizeram parte da CGF), Darcy Azambuja, Júlio Quevedo, Osório Santana Figueiredo e tantos outros... Agora, uma nova equipe se forma para fazer história.

           Na tarde deste sábado, dia 27, na sede da Comissão Gaúcha de Folclore reuniram-se os membros da diretoria, associados e colaboradores para a reunião ordinária e festiva. O presidente da CGF, Octávio Capuano leu a ordem do dia para o desenvolvimento dos trabalhos pedindo um minuto de silencio em homenagem a memória das irmas Graziela e Tânia Castro Saraiva, as bonequeiras que faleceram recentemente.

            A reunião teve a visita da viúva de um dos membros da 1ª fase da CGF, Nilza Lessa, que sempre acompanhou Luiz Carlos Barbosa Lessa em suas andanças e, depois de sua partida, continuou participando das atividades do folclore, no auge de seus 86 anos. 

           Muitos membros vieram de longe para rever os amigos e participar da reunião. Foi o caso de Chico Roloff, de Ijuí, Mara Muniz, de Soledade, Delurdes Souza, de Capão da Canoa e a Lenair Pacheco de Barra do Ribeiro. Além destes que percorreram varios quilômetros, o evento contou com a jornalista e escritora Erika Hanssen, que fez a ata da reunião, substituindo Renata De Cássia Moraes Pletz, que é a secretaria, mas que pediu dispensa devido a data de aniversário de seu filho. 
           Também estiveram presentes Marilene Huff, Marcia Cristina Borges, Anderson Souza, Aimara Bolsi e sua filha Anita, Paulo Lindner, Octávio Capuano, Paula Simon, Viviane Mello e Sandro Luiz Fagundes, do Hip Hop, Sergio Veríssimo, José Diniz de Moraes, Plínio Mósca, Rogério Bastos e Daniel Zardo.
            Foi lido o histórico da CGF e, também, o pedido de demissão do 2º vice-presidente, Paulo Roberto de Fraga Cirne, que agradeceu a confiança e pediu desculpas por ter que se ausentar por motivos de compromissos pessoais. Por decisão do conclave a vaga não será preenchida, pelo menos por ora.
Coquetel foi ponto alto da festa, onde os amigos se encontraram e confraternizaram com muitas brincadeiras
             O presidente Capuano solicitou a formação de uma comissão para criar uma distinção com o nome da Graziela, como forma de homenageá-la e, ao mesmo tempo, premiar aqueles que se destacam na área artes cênicas. A equipe ficou composta por Ivo Benfatto, Paula Simon, Plínio Mósca,  Rogério Bastos e a assessoria de Dilmar Messias, para regulamentar a premiação.
As fotos podem ser visitadas no álbum na página da CGF. Vá lá e curta nossa pagina do folclore do RS.
https://www.facebook.com/pg/ComissaoGauchadeFolclore/photos/?tab=album&album_id=856325168037047

sexta-feira, 26 de abril de 2019

Nota de Falecimento - Tânia de Castro Saraiva

           É com imensa dor e com sentimento de pesar que comunicamos o falecimento de Tânia de Castro Saraiva, irmã da Bonequeira Gaúcha Graziela de Castro Saraiva. 

           A Comissão Gaúcha de Folclore se solidariza com a família e amigos. Cruzaltense erradicada na capital, Tânia partiu na noite passada. O velório foi no Crematório Angelus, localizado na Avenida Porto Alegre, 320 capela 5. Tânia foi para o lado da irma, que faleceu dia 14, enfeitar o céu dos bonequeiros.